Gravação de Conversa sem Autorização é Considerada Lícita pelo TST

Não há afronta a Constituição Federal a gravação de conversa sem autorização.

Um empregado ajuizou uma reclamação trabalhista alegando que exercia a função de instalador e reparador de linhas telefônicas, entretanto, ficou afastado do trabalho por quase dois anos recebendo auxílio previdenciário.

O empregado ficou sem trabalhar por orientação do seu encarregado na empresa Telemont Engenharia de Telecomunicações S/A, de Minas Gerais.

As conversas entre o empregado e o seu supervisor foram gravadas pelo empregado, sem a autorização do supervisor, nas quais solicitava que fossem tomadas providências para regularização da sua situação.

As provas apresentadas pelo empregado foram o depoimento do preposto da empresa e as gravações que fez das conversas que manteve com o supervisor da empresa.

O TRT – Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região acatou as provas produzidas pelo empregado e considerou a rescisão indireta do contrato de trabalho e condenou a empresa a pagar as verbas rescisórias.

A empresa ajuizou Agravo de Instrumento, mas, o recurso foi desprovido pela 4ª Turma do TST – Tribunal Superior do Trabalho, reconhecendo lícita a gravação realizada pelo empregado, mesmo não havendo anuência do interlocutor, nem conhecimento de que as conversas estavam sendo gravadas.

O STF – Supremo Tribunal Federal já se posicionou no mesmo sentido, considerando que a gravação de conversa telefônica feita por um dos interlocutores, sem o conhecimento do outro, quando ausente causa legal de sigilo ou de reserva da conversação, não é considerada prova ilícita.

A Decisão que negou provimento ao Agravo de Instrumento foi unânime.

Para os que tiverem interesse em conhecer a matéria com mais detalhes o número do processo no TST é AIRR – 434-51.2014.5.03.0143.

(Matéria escrita e publicada pelo Advogado Sérgio Marcelino Nóbrega de Castro com base na Decisão do TST).

Publicado em 20 de Novembro de 2016
Confira as vantagens

Juristas cadastrados no Portal Justiça podem ter seu perfil profissional. Com um endereço exclusivo jurista.me/seunome. Seu perfil servirá para você ser encontrado por possíveis clientes através do Portal Justiça. Nele é possível informar suas áreas de atuação, mostrar sua trajetória, adicionar informações de contato e muita coisa ainda está por vir!

Além disso, juristas terão acesso a notificações em Diáros da Justiça sem nenhum custo. Para mais informações clique aqui

Temos muitas novidades ainda por vir, cadastre-se para receber notificações dos nossos lançamentos.

Abaixo um exemplo de como pode ficar seu perfil profissional no portal justiça:

Clique aqui para fazer o seu cadastro