Empregados de lojistas de Shopping não devem pagar estacionamento.

Estacionamento de Shopping pode cobrar aos empregados das lojas?

Em São Paulo, o Polo Shopping Indaiatuba, que funciona às margens da Rodovia Santos Dumont, foi condenado a restituir os valores cobrados dos empregados dos lojistas a título de estacionamento, além de ficar obrigado a não mais cobrar taxas de estacionamento.

A decisão que proibiu a cobrança é oriunda do TRT – Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, em Campinas, São Paulo, e no TST – Tribunal Superior do Trabalho a decisão foi mantida ao rejeitar o recurso do Condomínio Pro Indiviso Indaiatuba.

A ação civil pública foi ajuizada pelo Sindicato dos Empregados no Comércio de Itu e Região, visando impedir a cobrança de taxa de estacionamento dos empregados dos lojistas desde 2011, ao preço mensal de R$ 80,00 (oitenta reais), sendo a cobrança realizada antecipadamente.

Apesar de ter havido tentativas infrutíferas de resolver o problema de forma amigável, como o sindicato dos comerciários ajuizou a ação judicial.

O Ministério Público do Trabalho instaurou inquérito para apuração do caso, mas, não conseguiu evitar as cobranças.

A base legal na ação civil pública foi a violação das determinações constitucionais, tendo em vista que os empregados sofriam redução de praticamente 10% (dez por cento) dos seus salários brutos, o que era inaceitável, já que a necessidade de o deslocamento com os veículos próprios era uma constante, em face de o transporte público na região ser muito escasso.

Com respaldo na vedação de redução dos salários o TRT, com respaldo no artigo 468 da CLT – Consolidação das Leis do Trabalho, acolheu o pedido do sindicato, com o deferimento antecipatório de tutela, determinando o cumprimento da decisão imediatamente.

O Shopping em seu recurso argumentou que não havia prova de redução dos salários dos comerciários e não ficou comprovada qualquer interferência na relação de emprego dos lojistas e seus empregados.

O relator do recurso aduziu na decisão que rejeitou o recurso, que a medida não deixava qualquer dúvida de que o Shopping auferia lucro financeiro diretamente dos empregados que estacionavam seus veículos por força do trabalho.

Além do mais, o ministro Bresciani argumentou que ficou comprovado que anteriormente o estacionamento era gratuito para os empregados de lojistas.

Quanto à tutela de urgência, a mesma foi deferida em razão de entender a Casa de Justiça do Trabalho que a cobrança causava dano irreparável ao padrão de subsistência dos trabalhadores, além de ferir a Constituição Federal.

É importante se frisar que a decisão de não conhecer do recurso de revista foi por maioria de votos, tendo voto vencido o ministro Alexandre Agra Belmonte.

Para os que tiverem interesse em consultar o conteúdo do processo, segue o link:  RR-2222-76.2011.5.15.0077.

(Matéria escrita e publicada pelo Advogado Sérgio Marcelino Nóbrega de Castro, com base em matéria do TST- Tribunal Superior do Trabalho).

Publicado em 23 de outubro de 2017

Perguntas Relacionadas

Confira as vantagens

Juristas cadastrados no Portal Justiça podem ter seu perfil profissional. Com um endereço exclusivo jurista.me/seunome. Seu perfil servirá para você ser encontrado por possíveis clientes através do Portal Justiça. Nele é possível informar suas áreas de atuação, mostrar sua trajetória, adicionar informações de contato e muita coisa ainda está por vir!

Além disso, juristas terão acesso a notificações em Diáros da Justiça sem nenhum custo. Para mais informações clique aqui

Temos muitas novidades ainda por vir, cadastre-se para receber notificações dos nossos lançamentos.

Abaixo um exemplo de como pode ficar seu perfil profissional no portal justiça:

Clique aqui para fazer o seu cadastro