A liberação da maconha será julgada, no mérito, pelo STF

Está próxima a descriminalização do uso da maconha.

A ministra Rosa Weber do STF – Supremo Tribunal Federal determinou que sejam requisitadas informações à Presidência da República, ao Senado Federal, à Câmara dos Deputados e à Anvisa, no prazo comum de dez dias.

Expirado o prazo estipulado o processo deve ser remetido à Advocacia Geral da União e para a Procuradoria Geral da República, as quais deverão emitir seus pareceres, no prazo de cinco dias, sendo sucessivos.

A decisão da ministra agilizará o julgamento, já que dispensou a análise do pedido liminar, e baseada no artigo 12 da Lei 9.868/1999 aplicou ao caso o rito abreviado e a matéria de mérito será analisada pelo Plenário do STF.

O processo está em julgamento motivado pela Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 5708, que foi ajuizada pelo PPS que visa o afastamento do entendimento que criminaliza a plantação, cultivo, colheita, bem como as condutas de transportar, prescrever, ministrar, guardar e adquirir a maconha.

O PPS requer a descriminalização do uso da maconha respaldado no resultado de investigações científicas sobre o potencial terapêutico de substancias presentes na Cannabis, em particular nos campos da neurologia, da psiquiatria, da imunologia e da oncologia, esperando a declaração pelo STF pela inconstitucionalidade do artigo 28 da Lei de Drogas, nº 11.343/2006, para que seja dada interpretação de conformidade com o artigo 2º (caput) da Constituição Federal e artigo 33, parágrafo 1º, incisos I,II e III, 34, 35 e 36 da Lei nº 11.343/2006, e ainda do artigo 334-A do Código Penal.

É importante que se diga, já existem decisões judiciais autorizando o uso da maconha em hipóteses medicinais, muito embora exista a Portaria nº 334/1998, do Ministério da Saúde que veda o uso do princípio ativo tetra-hidrocanabinol (THC), impeditiva de os médicos fornecerem laudo ou receita, inviabilizando assim a importação do produto.

(Matéria escrita e publicada pelo Advogado Sérgio Marcelino Nóbrega de Castro).

Publicado em 10 de Julho de 2017
Confira as vantagens

Juristas cadastrados no Portal Justiça podem ter seu perfil profissional. Com um endereço exclusivo jurista.me/seunome. Seu perfil servirá para você ser encontrado por possíveis clientes através do Portal Justiça. Nele é possível informar suas áreas de atuação, mostrar sua trajetória, adicionar informações de contato e muita coisa ainda está por vir!

Além disso, juristas terão acesso a notificações em Diáros da Justiça sem nenhum custo. Para mais informações clique aqui

Temos muitas novidades ainda por vir, cadastre-se para receber notificações dos nossos lançamentos.

Abaixo um exemplo de como pode ficar seu perfil profissional no portal justiça:

Clique aqui para fazer o seu cadastro