Internet poderá ser um direito social garantido pela Constituição Federal

O Plenário do Senado através de Emenda Constitucional quer incluir a Internet nos direitos sociais.

O ex-senador Rodrigo Rollemberg, atualmente governador do Distrito Federal, entende que o acesso as novas tecnologias é necessário para o efetivo exercício de outras garantias expressas na Constituição Federal, como o direito à educação, ao trabalho, à remuneração digna e à informação.

Com essa iniciativa do ex-senador a PEC 6/2011, a qual tem a finalidade de incluir o acesso à Internet na lista dos direitos sociais, o Plenário do Senado pode abrir a primeira sessão de discussão, em primeiro turno, para discutir o assunto.

Segundo o governador do Distrito Federal, a inclusão do direito à Internet na Constituição Federal como direito social será decisivo para que os brasileiros participem mais da inclusão social, mitigando as desigualdades e firmando um terreno de oportunidades a todos com um futuro melhor.

A Comissão de Constituição Justiça e Cidadania – CCJ, em 2015 aprovou a PEC 6/2011, tendo como relatora a senadora Ângela Portela, que no seu Parecer à Proposta, citou dados da Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios, ocorrida em 2013, e que indicaram a presença da Internet em 50% (cinquenta por cento) das residências dos brasileiros.

A PEC 6/2011 coloca o direito de acesso à internet no patamar máximo na legislação brasileira, atribuindo valor constitucional, o que forçará o Estado a agir no sentido de eliminar a exclusão digital, que marginaliza uma grande parte da população.

A relatora, no seu voto favorável à PEC 6/2011 disse:

“A elevação do direito de acesso à internet ao patamar constitucional terá o condão de exigir o estabelecimento, pelo Estado brasileiro, de políticas públicas que minorem ou eliminem a exclusão digital que marginaliza um contingente significativo da população”.

É necessário passar por dois turnos de discussão e votação no Plenário do Senado para que a PEC 6/2011 seja aprovada no Senado Federal.

(Matéria original da Agência Senado)

(Matéria Editada, escrita e publicada pelo Advogado Sérgio Marcelino Nóbrega de Castro).

Publicado em 29 de julho de 2016

Perguntas Relacionadas

Confira as vantagens

Juristas cadastrados no Portal Justiça podem ter seu perfil profissional. Com um endereço exclusivo jurista.me/seunome. Seu perfil servirá para você ser encontrado por possíveis clientes através do Portal Justiça. Nele é possível informar suas áreas de atuação, mostrar sua trajetória, adicionar informações de contato e muita coisa ainda está por vir!

Além disso, juristas terão acesso a notificações em Diáros da Justiça sem nenhum custo. Para mais informações clique aqui

Temos muitas novidades ainda por vir, cadastre-se para receber notificações dos nossos lançamentos.

Abaixo um exemplo de como pode ficar seu perfil profissional no portal justiça:

Clique aqui para fazer o seu cadastro