Candidato denunciado por crime pode vir a ser impedido de exercer Presidência

A proposta está tramitando na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania.

O candidato que tenha contra si denúncia recebida por prática de crime punível com reclusão e que tenha sido cometido em razão de cargo público, ou de mandato eletivo, poderá vir a ser impedido de exercer a Presidência da República. É o que determina substitutivo apresentado pelo senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), relator da matéria, à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 5/2017, de Ricardo Ferraço (PSDB-ES). A proposta está tramitando na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

Segundo o texto apresentado pelo relator, quem estiver nesta condição também fica proibido de exercer as presidências do Senado, da Câmara dos Deputados e do Supremo Tribunal Federal, além do cargo de procurador-geral da República.

Caiado argumenta que não há inconstitucionalidade no texto, no que se refere ao princípio da presunção de inocência, por proibir a assunção ou exercício de chefia de Poder antes da condenação.

"Nada impede que o constituinte derivado imponha condições para o exercício da chefia de Poder. Dentre as condições, é perfeitamente possível exigir que [os cargos] só sejam ocupados por pessoas sem risco de condenação. Trata-se de ponderar dois princípios em colisão — a moralidade e a presunção da inocência. Como se sabe, a partir da lição de Robert Alexy, plenamente acolhida pelo STF, no caso de colisão entre princípios é preciso realizar a ponderação para verificar, no caso concreto, qual das duas normas deve ter preferência, segundo os critérios de adequação, necessidade e proporcionalidade em sentido estrito", pondera o senador, para quem o princípio da moralidade está ligado "à própria ideia de República".

O que muda

O texto original de Ferraço determinava que bastava ser réu em um processo penal para que a pessoa fosse impedida de exercer a chefia de um dos Poderes, ou que fosse afastado num prazo máximo de 48 horas caso entrasse nesta condição.

A proposta original também alastrava esta regra para estados e municípios. Foi para, segundo definiu no relatório, "dirimir excessos" que Caiado, na condição de relator, apresentou o substitutivo.

O senador goiano pondera que a legislação penal brasileira "é muita vasta, e considera crime condutas quase banais". Lembrou que por exemplo a destruição de plantas ornamentais em locais públicos é crime (lei 9.605).

"É óbvio que alguém com denúncia por este crime não fica incompatibilizado a chefiar um Poder. Ao contrário do que ocorre em caso de abertura de ação penal por corrupção", defendeu.

Caiado observa ainda que o texto original, por sua amplitude, também ficaria sujeito a manobras políticas. Outro problema, ao levar o regramento para estados e municípios, é ferir o pacto federativo.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Publicado em 10 de janeiro de 2018

Perguntas Relacionadas

Confira as vantagens

Juristas cadastrados no Portal Justiça podem ter seu perfil profissional. Com um endereço exclusivo jurista.me/seunome. Seu perfil servirá para você ser encontrado por possíveis clientes através do Portal Justiça. Nele é possível informar suas áreas de atuação, mostrar sua trajetória, adicionar informações de contato e muita coisa ainda está por vir!

Além disso, juristas terão acesso a notificações em Diáros da Justiça sem nenhum custo. Para mais informações clique aqui

Temos muitas novidades ainda por vir, cadastre-se para receber notificações dos nossos lançamentos.

Abaixo um exemplo de como pode ficar seu perfil profissional no portal justiça:

Clique aqui para fazer o seu cadastro