Princípio da Insignificância não é considerado pelo STJ em furto no valor de R$ 368,00

O valor do furto foi avaliado em 50,8% do salário mínimo. O Habeas Corpus foi negado. O relator do processo foi o ministro Nefi Cordeiro.

A Sexta Turma do STJ – Superior Tribunal de Justiça negou habeas corpus ao paciente que alegava o princípio da insignificância a ser considerado no furto praticado, já que o valor da “res furtiva” (produto do roubo) foi avaliado em R$ 368,00 (trezentos e sessenta e oito reais).

De acordo com o STJ o valor equivale a 50,8% (cinquenta vírgula oito por cento) do valor de um salário mínimo, o que na análise do caso a luz do princípio da insignificância não poderia ser aplicado e desta forma o habeas corpus foi negada a ordem.

Para os leitores que desejam mais detalhes sobre o caso, segue o acórdão:

(Matéria escrita e publicada pelo Advogado Sérgio Marcelino Nóbrega de Castro).

Publicado em 28 de dezembro de 2017

Perguntas Relacionadas

Confira as vantagens

Juristas cadastrados no Portal Justiça podem ter seu perfil profissional. Com um endereço exclusivo jurista.me/seunome. Seu perfil servirá para você ser encontrado por possíveis clientes através do Portal Justiça. Nele é possível informar suas áreas de atuação, mostrar sua trajetória, adicionar informações de contato e muita coisa ainda está por vir!

Além disso, juristas terão acesso a notificações em Diáros da Justiça sem nenhum custo. Para mais informações clique aqui

Temos muitas novidades ainda por vir, cadastre-se para receber notificações dos nossos lançamentos.

Abaixo um exemplo de como pode ficar seu perfil profissional no portal justiça:

Clique aqui para fazer o seu cadastro