Legalidade de gravação de ligação telefônica é atestada pelo TST

Trabalhadora grava ligação telefônica para comprovar que gerente dava referências desabonadoras.

A empresa Holanda Tecidos e Confecções Ltda, sediada em Minas Gerais na cidade de Montes Claros ajuizou recurso no TST – Tribunal Superior do Trabalho, com a finalidade de invalidar, como prova, uma gravação telefônica trazida aos autos pela reclamante, sua ex-empregada, que trazia declarações do gerente da empresa desabonadoras sobre a atuação profissional da empregada, nas oportunidades em que pessoas pediam informação sobre a ex-empregada com vistas a contratá-la.

O TST, no julgamento do recurso apresentado pela empresa, disse o relator, ministro Maurício Godinho Delgado, que no caso em questão não ocorreu a interceptação telefônica, que é protegido pela Constituição Federal, sendo uma prova ilegal.

No caso, a ex-empregada, achando que a sua busca por um novo emprego com apresentação de um currículo profissional excelente e tendo se saído bem em processos de seleção, ao final nunca era contratada, então, pediu a uma colega para ligar para a empresa recorrente para colher informações sobre a ex-empregada, simulando uma possível contratação, tendo uma surpresa ao gravar a ligação onde um gerente da empresa Holanda Tecidos e Confecções Ltda disse: “Não pega não que vai te dar prejuízo. Muito Prejuízo!”.

No recurso da empresa foi alegado que o diálogo foi forjado e que o gerente que gerou a gravação não tinha autonomia para dar informações sobre ex-empregados.

A empresa alegou também que a interceptação telefônica que gravou a conversa foi realizada sem o conhecimento do interlocutor, fato que caracterizava a ilegalidade da gravação.

Por fim, ao analisar o Agravo de Instrumento ajuizado pela empresa Holanda o ministro Maurício Godinho justificou sua decisão considerando a gravação unilateral entre pessoas, mesmo sendo pela via telefônica, desde que seja realizada por um dos interlocutores, mesmo que o outro não tenha conhecimento da gravação, não significa agressão à Constitucional Federal sobre as interceptações telefônicas.

Sendo o julgamento em um Agravo de Instrumento o TST entendeu que rediscutir provas seria necessária a revisão dos fatos e das provas carreadas aos autos, o que não é permitido, com base na Súmula 126 do próprio Tribunal.

A decisão foi unânime.

Para aqueles leitores que desejem ter conhecimento mais detalhado do processo, segue o nº do Agravo de Instrumento em Recurso de Revista: 2076-91.2014.5.03.0100.

(Matéria escrita e publicada pelo Advogado Sérgio Marcelino Nóbrega de Castro).

Publicado em 27 de dezembro de 2017

Perguntas Relacionadas

Confira as vantagens

Juristas cadastrados no Portal Justiça podem ter seu perfil profissional. Com um endereço exclusivo jurista.me/seunome. Seu perfil servirá para você ser encontrado por possíveis clientes através do Portal Justiça. Nele é possível informar suas áreas de atuação, mostrar sua trajetória, adicionar informações de contato e muita coisa ainda está por vir!

Além disso, juristas terão acesso a notificações em Diáros da Justiça sem nenhum custo. Para mais informações clique aqui

Temos muitas novidades ainda por vir, cadastre-se para receber notificações dos nossos lançamentos.

Abaixo um exemplo de como pode ficar seu perfil profissional no portal justiça:

Clique aqui para fazer o seu cadastro